Arquivo da categoria: Estudos Biblícos

Quais são os sinais do fim dos tempos?

Pergunta: “Quais são os sinais do fim dos tempos?”

Resposta:Mateus 24:5-8 nos dá algumas indicações importantes para que possamos discernir a aproximação do fim dos tempos: “Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos. E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores.” Um aumento de falsos messias, um aumento de guerras e aumento em fomes, pragas, desastres naturais: estes são “sinais” do fim dos tempos. Mas mesmo nesta passagem, entretanto, estamos sendo advertidos. Não devemos nos deixar enganar (Mateus 24:4), pois estes acontecimentos são apenas o “princípio de dores” (Mateus 24:8), e o fim dos tempos ainda está por vir (Mateus 24:6).

Muitos intérpretes apontam cada terremoto, cada agitação política e cada ataque a Israel como um sinal preciso de que o fim dos tempos está rapidamente se aproximando. Mesmo sendo estes eventos sinais de que o fim dos tempos se aproxima, não são necessariamente indicadores de que o fim dos tempos já chegou. O Apóstolo Paulo avisou que os últimos dias trariam um notável aumento nos falsos ensinamentos. “Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios” (I Timóteo 4:1). Os últimos dias são descritos como “tempos perigosos” por causa do aumento do caráter maligno do homem e pessoas que ativamente “resistem à verdade” (II Timóteo 3:1-9; veja também II Tessalonicenses 2:3).

Outros possíveis sinais incluiriam a reconstrução de um templo judaico em Jerusalém, aumentada hostilidade para com Israel e avanços para um único governo mundial. O sinal mais importante do fim dos tempos, entretanto, é a nação de Israel. Em 1948, Israel foi reconhecido como um Estado soberano pela primeira vez desde 70 d.C. Deus prometeu a Abraão que sua posteridade possuiria Canaã como uma “perpétua possessão” (Gênesis 17:8), e Ezequiel profetizou uma ressurreição física e espiritual de Israel (Ezequiel 37). Ter Israel como nação em sua própria terra é importante à luz da profecia do fim dos tempos, por causa da distinção de Israel na escatologia (Daniel 10:14; 11:41; Apocalipse 11:8).

Tendo em mente estes sinais, podemos ser sábios e discernir em relação à expectativa do fim dos tempos. Não devemos, entretanto, interpretar qualquer destes eventos únicos como uma clara indicação da iminente chegada do fim dos tempos. Deus nos deu informações suficientes para que possamos estar preparados, mas não informação suficiente para que nos tornemos arrogantes.

O que a Bíblia diz sobre o fim do mundo?

Pergunta: “O que a Bíblia diz sobre o fim do mundo?”

Resposta:O evento geralmente conhecido como “o fim do mundo” é descrito em 2 Pedro 3:10: “Virá, pois, como ladrão o dia do Senhor, no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se dissolverão, e a terra, e as obras que nela há, serão descobertas.” Este é o culminar de uma série de eventos chamada de “o dia do Senhor”, o momento em que Deus vai intervir na história humana com o propósito de julgamento. Naquele tempo, tudo o que Deus criou, “os céus e a terra” (Gênesis 1:1), Ele destruirá.

O momento deste evento, de acordo com a maioria dos estudiosos da Bíblia, é no final do período de 1000 anos chamado de milênio. Durante estes 1000 anos, Cristo reinará na terra como Rei em Jerusalém, sentado no trono de Davi (Lucas 1:32-33) e dominando em paz, mas com uma “vara de ferro” (Apocalipse19:15). No final dos 1000 anos, Satanás será solto, novamente derrotado, e então lançado no lago de fogo (Apocalipse 20:7-10). Então, depois de um julgamento final por Deus, o fim do mundo descrito em 2 Peter 3:10 ocorre. A Bíblia nos diz várias coisas sobre este evento.

Em primeiro lugar, será cataclísmico em escopo. Os “céus” referem-se ao universo físico – as estrelas, planetas e galáxias – que será consumido por algum tipo de explosão tremenda, possivelmente uma reação nuclear ou atômica que vai consumir e destruir toda a matéria como a conhecemos. Todos os elementos que compõem o universo serão derretidos no “calor ardente” (2 Pedro 3:12). Isso também será um evento ruidoso, descrito na Bíblia como um “grande estrondo”. Não haverá dúvida quanto ao que está acontecendo. Todo mundo vai ver e ouvi-lo porque a Bíblia nos diz que “a terra, e as obras que nela há, se queimarão.”

Então, Deus irá criar um “novo céu e uma nova terra” (Apocalipse 21:1) que incluirão a “Nova Jerusalém” (v. 2), a capital do céu, um lugar de santidade perfeita, que vai descer do céu para a terra nova. Esta é a cidade onde os santos – aqueles cujos nomes foram escritos no “livro da vida do Cordeiro” (Apocalipse 13:8) – viverão para sempre. Pedro se refere a esta nova criação como a “casa da justiça” (2 Pedro 3:13).

Talvez a parte mais importante da descrição de Pedro desse dia seja a sua pergunta nos versículos 11-12: “Ora, uma vez que todas estas coisas hão de ser assim dissolvidas, que pessoas não deveis ser em santidade e piedade, aguardando, e desejando ardentemente a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se dissolverão, e os elementos, ardendo, se fundirão?” Os cristãos sabem o que vai acontecer, e devemos viver de uma forma que reflita esse entendimento. Esta vida está passando e o nosso foco deve estar nos novos céus e terra que estão por vir. Nossas vidas “santas e piedosas” devem ser um testemunho para aqueles que não conhecem o Salvador, e devemos falar sobre Ele a outras pessoas para que possam escapar do terrível destino que aguarda aqueles que O rejeitam. Aguardamos com expectativa pelo “Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira vindoura” (1 Tessalonicenses 1:10).